Brasão da Freguesia de Santa Marinha
Junta de Freguesia de Santa Marinha
 
Vila Nova de Gaia
   
Autarquia
Ensino
Cultura
Desporto
Turismo
Informações
Serv. Online
Contactos
 
História
História de Santa Marinha.

Foi em 1288 que D. Dinis, atribuiu o Foral que deu lugar à criação de Vila Nova de Rei. Nesse lugar, hoje correspondente à zona ribeirinha da freguesia de Santa Marinha, havia então um estaleiro naval que trazia gente e desenvolvimento.
Santa Marinha é provavelmente a freguesia de mais antigo povoamento, do concelho de Gaia, estendendo-se desde a ponte ferroviária de D. Maria II, sobre o rio Douro, até à Afurada, freguesia com a qual faz limite, próximo da foz do mesmo rio.
A freguesia de Santa Marinha é a segunda mais populosa do concelho e é constituída pelos seguintes lugares:
- Azenha; Beira-Rio; Candal; Coimbrões; Devesas; Escarpa da Serra; Lugar de Gaia(Castelo); Marco; Regadas e Serra do Pilar.
É também em Santa Marinha que têm raiz a centenária romaria de S. Gonçalo e o grupo etnográfico dos Mareantes do Rio Douro.
No lugar do castelo existe um morro fronteiro a Miragaia, onde em tempos idos se fixou um castro, mais tarde transformado pelos árabes em castelo: o berço de Gaia.
Foi a partir de Santa Marinha que foram lançadas as ligações com a cidade do Porto. Desde a Ponte das Barcas e Ponte Pênsil, até às pontes actuais.
Com um rico património, possui aquele que é considerado o ex-libris da Cidade de Vila Nova de Gaia, a Igreja e Mosteiro da Serra do Pilar, Monumento Nacional, reconhecido pela UNESCO, juntamente com a Ponte de D. Luís I e o Centro Histórico da Cidade do Porto, como Património da Humanidade.

Características da Freguesia:
Área: 6,7 Km2
População: 31.507
Eleitores: 24.473
Santo Padroeiro: Santa Marinha

Património: Mosteiro da Serra do Pilar; Convento Corpus Christi; Igreja Matriz de Santa Marinha; Capelas do Senhor D'Além e do Bom Jesus; Igrejas de Coimbrões e Candal; Casa e Quinta de Campo Belo e Casa Barbot.

Outros locais de interesse: Zona histórica ribeirinha e do Lugar de Gaia (Castelo); Caves do Vinho do Porto; nova frente marginal do rio Douro e antigos estaleiros de barcos Rabelos, ainda a funcionar.

Actividades económicos: Armazenagem de Vinho do Porto; Comércio e Serviços.

Feira: Feira da Serra do Pilar a 15 de Agosto.

Festas e Romarias: S. Gonçalo (1º. Domingo, após o dia 10 de Janeiro); Senhor de Vera Cruz (Julho); Santa Marinha (18 de Julho); Senhora do Pilar,(ou Saúde), (15 de Agosto) e Senhor D'Além (1º. Domingo de Setembro).

Artesanato: Cerâmica; Estatuária; Cestaria e Pirotécnica.

Santa Marinha
(virgem e mártir, que tem a sua festa religiosa em 18 de Julho)

Diz a tradição que tinha oito irmãs gémeas: Basília; Eufêmea; Genebra; Liberata (também conhecida como Vilgeforte); Marciana; Quitéria e Vitória.
A lenda atribui-lhes a naturalidade na cidade de Braga, no ano 120.
Seriam filhas de um casal de pagãos, Calcia e de um oficial romano, Lúcio Caio Atílio Severo, régulo de Braga, o qual, quando elas nasceram, estaria ausente da cidade.
Entretanto, na cidade, não se acreditava que as gémeas pudessem ser filhas do mesmo pai.
O acontecimento causou enorme embaraço à mãe que, teria encarregado a parteira Cita, de as afogar.
Em vez disso a mulher, que era cristã, levou-as ao Arcebispo Santo Ovídio, para que as baptizasse e lhes desse destino.
Foram então entregues a amas cristãs, crescendo e vivendo perto umas das outras, até aos 10 anos de idade.
Por esse tempo, o César romano ordenou aos delegados imperiais para activarem a perseguição aos cristãos na Península Ibérica.
Nessa perseguição, os soldados viriam a descobrir as gémeas, que foram detidas mercê das suas crenças, sendo levadas à presença do régulo.
Este, acabou por constatar que elas, afinal, eram suas filhas. Quis convencê-las a renunciar à sua fé e a abraçar o paganismo. Porém, em face da sua resistência, mandou detê-las e enclausurá-las no Palácio.
Sucedeu que as prisioneiras durante a noite, por intervenção sobrenatural ou com a ajuda da própria mãe, lograram alcançar a liberdade. Correndo em várias direcções chegaram a províncias espanholas, donde se dispersaram.
Todavia, Santa Marinha, teria sido apanhada nas proximidades de Orense, em Águas Santas, e condenada à morte, sendo aí degolada em 18 de Julho do ano 130, vindo as suas irmãs a ser também martirizadas.
Diz-se que Santa Liberata, que tem uma bela imagem na Capela de Gaia, teria sido crucificada junto do Castelo.

« voltar

Junta de Freguesia de Santa Marinha ©  todos os direitos reservados